Blog CSO, Full Skope, Secure Access Service Edge How Your Network Became “The Bermuda Triangle” and How You Can Fix It
27 de abril de 2021

Como sua rede se transformou em “O Triângulo das Bermudas” e como corrigi-la

“Onde está sua aplicação? Onde estão seus dados?”

Por muito tempo, se você precisasse saber onde suas aplicações ou dados estavam, a resposta era clara: era sempre on-premises ou em uma filial. Quase independentemente do tamanho da organização, as infraestruturas estavam contidas e visíveis dentro de um limite definido—você tinha um data center, uma rede, uma filial e os usuários. Mesmo tendo alguns desses usuários ocasionalmente se conectando por VPN durante uma viagem ou trabalhando de casa, isso não afetava o desempenho da rede ou introduzia riscos indevidos. Bons tempos.

Então surgiu a nuvem e a resposta para questões como “Onde está sua aplicação?” ou “Onde estão seus dados?” tornou-se um pouco mais nebulosa do que antes. Uma aplicação ainda poderia estar no data center, mas às vezes também na nuvem. Às vezes, um software era entregue como serviço (SaaS) ou a infraestrutura inteira era entregue como serviço (IaaS). Ainda assim, o mistério de hoje não era assustador para as equipes de rede até cerca de um ano atrás.

Quando a pandemia de COVID-19 chegou, em março de 2020, praticamente todos os usuários saíram do trabalho presencial no ambiente on-premises para o home office do dia para a noite. Sem a maioria dos usuários dentro de um limite de rede local, a questão de saber onde as aplicações e dados residem de repente se tornou ainda mais difícil de responder.

O êxodo de usuários por causa da COVID foi como uma bomba explodindo e onde cada um desses usuários pousou (como estilhaços) tornando-se essencialmente uma borda do novo perímetro da rede. E as equipes de redes imediatamente tiveram que resolver um novo mundo de problemas—de conectividade, desempenho e segurança—dentro do que poderíamos chamar de novo “Triângulo das Bermudas”: data center, nuvem e usuário. Parece que falta muita coisa nesse triângulo!

Triagem no triângulo

Me interrompa se você já ouviu essa piada (ou outra parecida) antes:

Um usuário, um desenvolvedor e um engenheiro de rede entram em um bar e alguém grita: “Ei, as coisas estão lentas!” E o engenheiro de rede continua pagando a conta.

A frase “Está lento" é a maldição de cada pessoa que trabalha com networking. Mas as pessoas têm muito pouca paciência com relação à tecnologia. Se uma página da web leva mais do que alguns segundos para carregar, as pessoas seguem em frente. A divisão vem em parte da expectativa do que é lento versus o que é rápido. Mas no “Triângulo das Bermudas” da rede que a COVID criou, o problema é ainda pior do que a subjetividade do usuário e a percepção de velocidade. A equipe de rede não pode realmente saber como é o desempenho de um usuário específico porque agora depende do funcionamento individual de cada provedor de Internet usado no acesso.

Como quantificar os problemas de desempenho da rede quando você tem que lidar com a geografia, com os balanceadores de carga e com cada caminho redundante que aumenta exponencialmente o tamanho da rede, sem falar da internet como backbone e da grande incógnita dos provedores de SaaS? E isso sem falar das circunstâncias individuais do trabalhador remoto. Pode ser um roteador Wi-Fi com espectro de 2,4 GHz colocado muito perto do micro-ondas em casa. Pode ser o filho adolescente de alguém que sem saber conecta um Xbox à rede corporativa para uma conexão de alta velocidade. Como um profissional de rede, o que você vai fazer—colocar uma sonda na casa de cada pessoa? Mesmo um cara obstinado do Wireshark como eu sabe que é uma pergunta impossível.

O “Triângulo das Bermudas” da rede não trata apenas do desconhecido, mas também do incontrolável. Sem um limite definido, a rede se torna amorfa—pode se espalhar por toda parte. E neste mundo, a segurança se torna a prioridade. Imagine uma peneira gigante onde cada buraco representa uma rota possível para a exfiltração de dados. Agora multiplique isso por (pelo menos) 100! 

Do caos à conectividade segura

Em qualquer crise, a sobrevivência é o primeiro objetivo. Então, na primavera de 2020, as equipes de rede em modo de triagem se voltaram para a ferramenta que tinham à mão para gerenciar a descentralização em massa de suas forças de trabalho. A VPN foi sua primeira linha de defesa para estabelecer conexões seguras que poderiam manter os negócios funcionando.

Mas o trabalho de uma VPN é como um aspirador de pó—ela suga tudo de volta para o data center e, em seguida, o executa por meio da stack de segurança on-premises. Isso geralmente inclui todos os firewalls, proxies, prevenção de intrusão (IPS), detecção (IDS) e outras soluções que filtram o tráfego de rede em busca de ameaças. Infelizmente, a VPN não foi projetada para esse tipo de escala. Foi uma ótima solução para atender usuários ocasionalmente em trânsito ou quando as condições climáticas exigiam e eles tinham que trabalhar de casa, mas foi mais uma exceção do que uma regra. O backhaul de todo o tráfego através do data center não funciona quando você tem 10 mil ou 200 mil endpoints. Isso cria um grande congestionamento da VPN e a segurança se torna um gargalo impossível. E quando sua empresa seleciona um fornecedor de segurança em nuvem, você certamente não quer recriar esse pesadelo de backhaul de tráfego e gargalos dentro da nuvem. Infelizmente, como foi discutido em outro blog recente intitulado “Hairpinning: o segredo oculto da maioria dos fornecedores de segurança em nuvem,” essa prática é comum entre muitos fornecedores.

Do ponto de vista da segurança, o uso de VPN também é uma batalha de longa data. A segurança quer que todos usem a VPN para que possam ver tudo o que os usuários estão fazendo e passar pelo stack de segurança on-premises. Mas com o COVID-19 e os funcionários permanecendo remotos, as equipes rapidamente perceberam que os altos volumes de tráfego do Zoom e do WebEx em particular—às vezes passando por vários appliances de segurança—os tornavam quase inutilizáveis. A rede estava completamente congestionada nos principais pontos de entrada/saída. Não demorou muito para que as empresas—mesmo grandes organizações financeiras—decidissem que precisavam de um acordo que pudesse liberar o congestionamento da rede.

Acesso via split tunnel

Split tunneling de conectividade foi o acordo interno que as empresas fizeram. Enquanto a VPN seria usada para acesso comercial local, o tráfego do Zoom iria para a Internet pública para aliviar o congestionamento da VPN. Mas dessa forma, elas jogaram a cautela ao vento, porque a decisão de dividir o túnel instantaneamente fez duas coisas:

  • Ela contornou a proteção do stack de segurança, potencialmente expondo algumas partes da organização a ameaças cibernéticas externas ou vazamento de dados.
  • Ela também abriu uma caixa de Pandora para usar split tunneling para outras aplicações. Depois que o Zoom foi aprovado para conexão direta com a Internet, todos os diretores de negócios provavelmente se perguntaram: E quanto ao Office 365?

Digamos que você esteja usando o Microsoft OneDrive. Volte para a questão fundamental: Onde estão seus dados? Lá fora, em algum lugar. Não está no data center ou dentro dos limites do stack de segurança. Onde está seu usuário? Lá fora também.

Então, por que você está fazendo com que eles entrem apenas para sair de novo? Especialmente quando todos concordamos que o transporte é seguro? As vias que os protocolos TLS abrem para se comunicarem têm se mostrado seguras. Os militares usam. O Pentágono o usa. Portanto, se o canal entre os dados e o usuário é seguro, por que estamos preocupados em deixar o tráfego do Office 365 ir direto para a Internet? É apenas um problema se os dados estiverem de alguma forma infectados no começo.

Reavaliando a situação com a segurança em mente

As oportunidades abertas por sistemas de rede improvisados não escaparam aos cibercriminosos experientes. Acontece que pelo menos um antigo inimigo está ressurgindo para tirar vantagem de nossos compromissos atuais: ameaças baseadas em macros do Visual Basic. Desde o início da pandemia de COVID, nossa equipe de pesquisa aqui na Netskope descobriu que os documentos do Microsoft Office infectados com vírus e Trojans baseados em macro aumentaram em até 9 vezes.

Como avaliamos esses desafios e os relacionamos com o stack moderno de segurança?

A primeira coisa que os usuários costumam dizer é: “É para isso que tenho antivírus.” Mas o antivírus (AV) serve apenas para proteger o usuário. Ele não faz nada pelos dados com os quais eles estão colaborando na nuvem, mesmo quando um arquivo é aberto em um navegador. Se os dados não estiverem armazenados localmente no próprio dispositivo (por exemplo, arquivos no OneDrive ou Google Drive), o antivírus não pode ajudar. Mais uma vez, nossos relatórios mostram que 61% do malware é entregue na nuvem.

A próxima etapa no processo de tentar domar este “Triângulo das Bermudas” é garantir que nosso conduíte—nosso pipeline de segurança—também esteja procurando por ameaças. Precisamos ativar essa conexão direta entre o usuário e os dados e usar essa oportunidade em linha para fazer a varredura em busca de ameaças. Você vai lá de qualquer maneira para acessar seus dados, então você também pode deixar alguém limpá-los no processo. Pense nisso como uma varredura de malware baseada em rede integrada.  Claramente, isso significa que a rede desempenha um papel ativo e integral na postura geral de segurança.

Offload com confiança

Em 2020, as equipes de rede descarregaram o tráfego do Zoom em conexões diretas com o split tunnel por pura necessidade de sobrevivência. Mas e se você pudesse fazer o offload com confiança, sabendo que estava obtendo os benefícios de uma conexão direta sem sacrificar a segurança? Não é melhor apenas para o usuário em termos de desempenho, mas também é algo que cada profissional de rede entende intrinsecamente—quanto mais perto você estiver de onde está indo, mais rápido chegará lá.

As coisas estão mais estáveis do que há um ano, quando o inferno começou. Então, agora, que tal colocar um pouco de segurança de volta no lugar, sem comprometer o valor do que foi ganho? Não podemos trazer de volta o antigo regime e ter todo tráfego desviado para o stack de segurança com um enorme gargalo de desempenho, degradando a experiência do usuário. Seus usuários experimentaram a liberdade e nunca vão voltar.

A realidade do “Triângulo das Bermudas” que toda equipe de rede precisa enfrentar agora é que os limites de sua rede bem definidos explodiram. O velho mundo se foi e não vai voltar. Então, neste novo mundo, o que você vai fazer para proteger o que é fundamental para o seu negócio? Você precisa de uma solução que seja próxima, rápida e segura—fornecendo proteção em linha entre os dados e os usuários, independentemente de onde eles estejam. Afinal, a rede é a cola que une todo o ambiente, e deve ser usada para reduzir riscos, custos e problemas. Segurança sem atrito ... quem não gostaria disso?

author image
Sobre o autor
Hansang Bae é Field CTO da Netskope. Como parte da equipe do CTO, ele é responsável por orientar a tecnologia, a visão e a estratégia da empresa, especialmente no que se refere à integração entre segurança e redes. Ele também é um participante ativo do desenvolvimento de software livre Wireshark. Antes de ingressar na Netskope, ele foi o CTO da Riverbed e foi membro da equipe de liderança de Engenharia e Arquitetura de Tecnologia do Citi (Citigroup). Como um dos seis líderes globais de engenharia do Citigroup, ele foi responsável pela engenharia de datacenter e filiais, engenharia de desempenho, ferramentas de gerenciamento de rede (NMS) e grupos de planejamento de capacidade para todo o Citi.
Hansang Bae é Field CTO da Netskope. Como parte da equipe do CTO, ele é responsável por orientar a tecnologia, a visão e a estratégia da empresa, especialmente no que se refere à integração entre segurança e redes. Ele também é um participante ativo do desenvolvimento de software livre Wireshark. Antes de ingressar…